Vencedores do I FFEP

MELHOR LONGA-METRAGEM



Ama-San - Cláudia Varejão. Portugal, Suíça e Japão/2016: 112'

Um mergulho, a luz do sol do meio-dia atravessa a água a pique. O ar que está nos seus pulmões terá que chegar até que se consiga arrancar o haliote. Estes mergulhos são dados no Japão há mais de 2000 anos pelas Ama-San.





MELHOR MÉDIA-METRAGEM



O Caminho das Pedras - Alexandre Nogueira e Fernando Segtowick. Brasil/2016: 22'

A comunidade quilombola do Acabatal é um retrato de 300 anos de luta pela direito à terra na Amazônia. Situada em Ananindeua- PA, os descendentes de escravos tentam sobreviver, ao mesmo tempo, que a comunidade sofre com ameaças da expansão imobiliária, violência e falta de infraestrutura. Os moradores também procuram se reconectar com suas raízes africanas seja na cultura, na religião ou na própria aceitação de sua identidade.





MELHOR CURTA-METRAGEM



Las hojas que envuelven las plazas - Liliana Sayuri Matsuyama Hoyos. Colômbia/2014: 10'15"

O mercado do Distrito de Bogotá, Samper Mendoza, vira o centro de recepção de folhas de bananeira na cidade. Estas folhas cultivadas por famílias camponesas e indígenas do sul do Tolima, são cortadas, dobradas e empacotadas para serem levadas aos mercados locais e municipais. Este é um mercado que teria se perdido, se não fosse pela persistência das famílias que o fazem possível, desde a produção até o consumo das folhas de bananeira. Os mercados públicos e a compra e venda das folhas de bananeira, tecem uma rede que pode ser considerado um patrimônio cultural da cidade. Este documentário é resultado da pesquisa "Las Plazas de Mercado se tejen con amasijos de maíz y envuelven con hojas de plátano". Projeto ganhador da bolsa "Patrimonio a la Plaza, Volver a las Plazas de Mercado" do Instituto Distrital de Patrimonio -IDP-. 2014.





MENÇÃO HONROSA DO JÚRI



A Terceira Margem - Fabian Remy. Brasil/2016: 57'

Em 1953, treze anos depois do início da célebre “Marcha para o Oeste", os indigenistas irmãos Villas-Boas encontram, entre os índios Kaiapó, o jovem João Kramura, um branco roubado de seus parentes e criado na tribo. Através do índio Funi-ô Thini-á, reconstitui-se a história de João e também a do próprio Thini-á, que compartilha o mesmo trânsito atribulado entre dois mundos. Seguindo os passos de João, que encontra ressonância nos de Thini-á, colocam-se em cheque a ruptura da cultura indígena diante da invasão branca e a evolução dos conceitos de antropólogos e indigenistas ao longo de 60 anos.

Contato

  • Universidade Federal do Pará - UFPA.
    Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Antroplogia-PPGSA.
    Cidade Universitária Prof. José da Silveira Netto.
    Rua Augusto Correia, no. 01, CEP: 66075-110 Belém-Pará-Brasil.
  • 55-91-3201-8024 / 98159-0045 / 98864 9072
  • contato@festivaldopara.com.br
  • Facebook

Copyright © 2018 Timber. Crafted by alexsaweb.